Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2009

_não o bastante_

Faz um bom tempo que não me ponho a escrever. Não dou as caras. Nem se quer entro aqui.

Na verdade não há muito o que contar. Existe apenas um vazio. Uma ausência de extremos. Ou de qualquer sentimento estonteante que possa vir.

De certo, agora sem dor, relembro-me de fatos quais abrilhantaram meus olhos, retratando meu mais ingênio sorriso. Num tilintar suave de idéias, pulsações e alegrias.

Passageiro. Corriqueiro. Imenso e profundo furor despertado. Apagado. Calado, dilacerado.

E de fato, forte. Mas não o bastante para me fazer parar. E eu sigo. Persisto. Insisto!

_dilacerado orgulho_

Hoje eu poderia escrever mil linhas, ou o quanto fosse. São dias como esse que me prendo frente a uma mísera tela e então meus dedos se agitam ao digitar.

Tantas palavras. Tantas coisas desejadas a escrever. E ao mesmo tempo, todo o medo e a insegurança se faz. Vozes presas na garganta que arranha por não segurá-las. Náuseas.

E sem pensar, sem mensurar consequencias, lanço as palavras, poucas e sinceras que meu dilacerado orgulho permite.

- É. Podes entender que é real.

_eu realmente acreditei_

Tudo é calmaria, e de repente turbilhão quando se trata de ti. São sentimentos opostos e distintos, que se misturam e atrapalham num piscar de olhos.

É calor e frio. Amor e ódio. O que foi que fizeste para ser tão avassalador? Cativante; veio, marcou e se foi. - Não tá fácil. E nada me faria pensar que estaria assim. Confesso.

Qualquer lágrima que role por minha face não representaria nada comparado a dor e ao aperto vazio do meu coração.

- Eu realmente acreditei que a felicidade havia batido em minha porta. Quando na verdade, foi apenas um estranho que errastes o caminho.

_não devia lembrar_

Sei que não devia lembrar... assim como sei como é duro esquecer.

Na verdade existem momentos que nem se quer lembro de você. Mas por horas, teu olhar é minha única visão.

Teus abraços e carinhos, meu único conforto. E ilusão pouca para parar de sonhar.

Definitivamente eu não sei o que aconteceu. Totalmente fora do convencional eu me apaixonei por você e está dificil. Não há nada que eu possa fazer que não remeta a você. Clichê... ou não.. 'Tá' difícil te esquecer. Pois é!

_um amor inconstante_

Não existem mais mentiras para acreditar. Nem se quer vestígios que provem o que sobrou.

Se de um lado, angústia e dor, do outro, amor, calor.

Não que esperavas a eternidade, mas tampouco que duradouro fosse.

E estes, vagos dias de furor, somam cicatrizes de um amor inconstante.

De um coração pulsante, que quer esquecer a sua dor.


(nada é mais como antes. nem mesmo estas linhas me dão prazer em escrever.)

_há tanto mais_

Tem horas que é necessário botar a mão na consciência e se dar conta de que tens tão pouco tempo para se preocupar com bobagens... E por que não aproveitar este tempo com o que faz-te feliz?

Esquecer dos problemas, das perturbações e do mundo material. Por que não se decidar aos amigos, e a quem te faz bem?

A vida pode ser longa, mas curta demais para quem não sabe aproveitá-la.

E eu, mesmo não sabendo, quero dias com amigos e sorrisos, independente se lá fora faz frio ou calor, ou se o sol não brilha da maneira desejada. Há tanto mais para se viver e não se lamentar.

- Posso prever que as férias me renderão novos pensamentos.