Postagens

Mostrando postagens de 2010

_intensidade de sentimetos_

Tão complicado de entender um amor. De acreditar na correspondência por ambos com mesma intensidade de sentimetos...

_ nunca se vão_

O que são pessoas, se não o rumo de nossas vidas?
Algumas passam sem deixar vestígios. Outras, ficam; marcam. Algumas magoam, fazem doer e nos decepcionam. Em contrapartida, logo existem aquelas que nos completam, nos ensinam, nos fazem viver.
- O que seria de nossas vidas sem pessoas?
Acredito eu, que no fundo, vivemos tão mais em função delas do que de nós mesmos. Olhe ao redor, existem tantas. Que quando nos damos conta, algumas se foram e outras chegaram sem serem notadas.
- Mas as que marcam... Ah, as que marcam, nunca se vão. Por mais que o tempo tente apagar, a memória nos enfraqueça, o sentimento se renove. As que marcam, sempre vão ficar.

_recobra o ar_

Um coração só é lembrado quando faz-te chorar. Aperta, acelera, parece explodir. Grita calado. Mas não deixa de persistir e bater. Suspira, recobra o ar. E, antes de tudo, insiste em querer viver.

_tudo tão imprescindível_

Nossa vida pode ser comparada como um jogo de tabuleiro. Podemos avançar, recuar, mas nunca prever jogadas adversas. Nem mesmo caminhos, atalhos, próximos passos. É tudo tão imprescindível que no fim, só nos resta acreditar.

_não temos tempo para rascunhos_

Se parássemos pra pensar em nossos atos, talvez nossa razão não nos permitisse executá-los. O que de fato nos privaria dos inúmeros prazeres (ou desprazeres) que a vida nos oferece. É ai que repenso e vejo que não temos tempo para rascunhos ou suposições. Nos cabe apenas escolhas e apostas. Onde as consequências são apenas resultados do que poderia ser evitado caso deixássemos de viver e lutar pelo que um dia chegamos a acreditar.

_domina o meu ar_

Agora minhas lembranças correm por ai. Por todo tempo relembram de outrora. Não me permitem esquecer. E sem perceber é o teu cheiro que domina o meu ar.

_silêncio possa provar_

As vezes é preciso parar pra pensar.
Ver que somente o tempo nos informa qual rumo tomar.
Ir em frente, seguir, esquecer, esperar...
São tantas perguntas sem respostas,
E quem sabe somente o silêncio possa provar
Ou ensinar o que hoje não queremos compreender.

_tanto tempo_

(Faz tanto tempo que não escrevo nada aqui...)

_ao mesmo tempo_

Tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo.
Vontade de calar e na mesma hora,
gritar para todo o mundo ouvir.

Aqui, antes de tudo, existe um coração.
Que mais uma vez se depara com o tudo e o nada.
Um abismo entre a sorte e o azar.

Possibilidades incertas de sonhar ou despedaçar.
De outras oportunidades, talvez, as lembranças.
A consciência de que nada foi e será fácil.

E que no fim, a derrota pode ser opção
com maiores chances do que a vitória.
Um sorriso a cada encontro com o teu.

Uma marca a cada puxão de orelha.
Eu sei bem aonde quero ir.
Mesmo sabendo que o caminho pode levar a
o marco zero caso não esteja atenta.

- Mas ai, já são outros dias nos quais agora, não quero pensar.

_meu mundo é você_

Agora vejo os sonhos bem à frente dos meus olhos.
São momentos que não pretendo acordar.

- Agora, meu mundo é você.

_tudo outra vez_

Eu tentei. E tentaria quantas vezes fosse preciso.
Nada foi em vão. Nenhum segundo foi perdido.
E por mais que as marcas fiquem por um tempo
Eu faria tudo outra vez.


- Eu não vejo a hora de te ver sorrir.

_ viver cada minuto_

Por hora as lágrimas rolam
com a incerteza de um final.
Logo em outras, os sorrisos brotam
assim como a vontade de viver cada minuto,
sem pensar em fim.

_duas saidas_

Desta vida, só tenho duas saídas:
me conformar e viver de maneira monótona;
ou me render, e acabar morrendo de amor.

_sem hora pra acabar_

A felicidade esta nos pequenos gestos,
nos contidos sorrisos
e em poucas palavras.

A felicidade esta no encontrar dos olhos
nos calados suspiros,
nos sinceros abraços.

A felicidade é correr na chuva
é sair sem rumo
é não ter hora pra chegar.

A felicidade é estar com você
o tempo todo
sem hora pra acabar.

_permaneço extasiada_

Preciso confessar que sinto medo,
de consequências que podem surgir.
Medo este, possível alicerce
pra me fazer seguir em frente.
Metade de mim razão,
logo outra, coração;
que se conflitam incansáveis...
E sem respostas,
eu que não desisto fácil,
deixo que minhas vontades falem por mim.
Permaneço extasiada,
sem pensar em nada mais.
Alem de você.

_força da persistência_

Andar sempre em direção ao futuro. Acreditar, lutar. As vezes aparecem tantos obstáculos a nossa frente que perdemos a força da persistência. Mas resta a esperança, para nunca nos deixar desistir.

A vida nos prega peças, mas os caminhos trilhados cabe a nós escolher.

_aprender talvez_

Estou me contocendo por dentro. De forma que me faz querer gritar tudo o que sufoca. Palavras não podem expressar o que sinto. Nem tão pouco aliviar-me a tensão. A angústia aperta, incomoda, esmaga e emudece. É como estar preso em meus próprios pensamentos. De ilusões criadas para somente decepcionar-me com elas.

E aprender talvez:
"A vida nem sempre é como a gente quer."

_Onde é que andas nessas horas?_

Fortes, porém fracos para o amor.
Se existe algo que pode realmente nos destruír, ou 'construir',
resumo apenas em quatro letras.
Capazes de fazer mudar, de derrubar,
de engrandecer, e emudecer.
de entusiasmar e abalar.

Ah o amor...
Onde é que andas nessas horas?

_nós mesmos moldar_

As lágrimas são inevitáveis. Embora, conforme o ditado: a esperança é a última que morre.
Pode parecer clichê, mas talvez esta é a única companhia solitária que me resta.
Existem tantas coisas a falar, que prefiro cegar os olhos para não criar intrigas.
Há tanto que não suporto mais, mas que a empatia não permite dar um basta.
Por que eu sempre penso mais nos outros?

Desabafo talvez. De coisas tantas que estão a me perseguir ultimamente.
Confusão e ambição.

- O futuro, cabe somente a nós mesmos moldar.

_incansáveis sorrisos_

São tentativas e tentativas perdidas, descartadas, estilhaçadas. A minha armadura, aparentemente tão forte, se desfaz a cada insistência. E as forças, as vezes tamanha, são só impressões cansadas. Já me basta apostas incorretas. Eu preciso de alguém... Que possa durar incansáveis sorrisos e momentos inesquecíveis, por qualquer período mínimo que seja. Embora a busca incessante e desgastante dure por uma eternidade de tempo.

- Eu vou tentar.

_mesma maneira_

Eis aqui... Pensativa incansável, tentando entender se pior é sofrer por amor... Uma vez que sem ele, sofres de mesma maneira.

_insisto em perguntar_

Sentada, olhando para o nada. O horizonte me envolve no vazio, atormentando-me com feridas que tardam a apagar. E com elas, todas as esperanças, sorrisos, lembranças, migalhas de felicidade.

Agora, ainda insisto em perguntar, pra que inventaram o tal do Amor?