_um coração batendo acelerado_

Eu tenho um coração batendo acelerado. Desbaratinado... Descompassado.

Tenho mãos trêmulas, agônia insistente entre veias cansadas. Tenho nervos descontrolados... Esbravejados. Tenho sentimentos imprevísiveis e maus pressentimentos.

Já não há mais forças, embora exista a vontade de ficar. E nas tuas delongas, estas, tão ultrapassadas; não vou mais contar.

É como acreditar num finito sem fim. É esperar as cartas num jogo perdido. Crer nas horas que tardam a passar.

- E apesar de tudo, me resta lembrar do coração que tenho. Qual quero zelar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

_Somente cinco, para trinta.

_quando menos imaginamos_