_apagar o que me fere e faz-me mal_

Chegar em uma casa que mesmo sendo "sua" não parece ser. Praticamente não vê ninguém familiar. A não ser os quadros e fotos qual retratam o passado que em partes quer apagar. Pensa que muito poderia ser diferente. Não, não dependeria só de ti.

Pensa mais um pouco. Analisa seus poucos pertences. Suas marcas já estão se ajuntando para dali partir. Já não desejas mais esta realidade. Não quer cinco minutos de conversa que se jogam fora após algumas discussões. Nem mesmo um agrado a cada período. Ou é ou não mais. Pra que dizer que vive em família, se quanto mais os dias passam, mais parece cada um por si?

Não pertenço mais a este local. Quero apagar o que me fere e faz-me mal. Nada mais me prende aqui. E o mundo me espera. Um mundo novo, de responsabilidades, de "ralação", de muito mais contas a pagar. Mas de muito mais prazer a se viver.

Daqui carregarei apenas uma mochila, um computador, minhas antigas e companheiras câmeras, um punhado de papéis e rabiscos, fotografias de felizes momentos, e todos os derivados existentes e presentes da Heineken.

- Vamos. Teus 18 já chegaram. Teu juízo já toma forma. Estás prontas a se aventurar pela cidade nos momentos que desejar. Com todas as vontades. Com a tal liberdade que todos dizem que temos.

Eu vou. Não Demora. E não duvide.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

_Somente cinco, para trinta.

_quando menos imaginamos_

_amor.